domingo, 10 de maio de 2009

A fuligem como arte...


"Exposições já estão confirmadas em Paris (Setembro), porém existem convites para apresentar seus trabalhos em outras galerias européias (Suíças, Inglesas) e posteriormente, nos E.U.A".

Falo de Alexandre Orion. Quem é Paulistano e/ou acompanha o "cenário intervencionista" paralelo, provavelmente já ouviu falar dele. Sua principal marca, é desenhar caveiras, usando uma técnica que ficou conhecida como grafite reverso. Iniciou seu projeto em meados de 2006, quando realizou a primeira de sete intervenções urbanas na Capital Paulistana – receberam obviamente, o nome de Ossário – na data, Orion desenhou no interior do túnel Max Feffer (z/oeste) da cidade, uma sequência infindável de crânios.

E até onde vai o senso crítico e ao mesmo tempo, imaginativo de certas pessoas não é mesmo? Ao mesmo tempo em que ele faz uma crítica ferrenha ao modo de vida Paulistano, consegue promover sua arte, se utilizando apenas da fuligem produzida pelos veículos da cidade. Por isso os túneis são o seu lugar "preferido" de atuação.

De certa forma, ele não é o precursor de tal técnica. Os créditos podem ser concedidos ao inglês Paul Curtis. Em 1999, na cidade de Leeds ( Inglaterra), Curtis desenvolveu imagens de "modo reverso" ao do grafite tradicional, simplesmente começou a limpar a sujeira dos muros para desenhar. Entendem? Se limpa de determinada forma, que forma-se o desenho escolhido!

Olha que interessante, para fazer isso, basta criatividade, um lugar propício (ou seja, com acúmulo de poeira/sujeira), um pano e água! Orion, ainda se utiliza da água suja; após a "limpeza", espera evaporar e, com o pó preto que ficará dentro do balde, mistura uma base acrílica e obtém sua "tinta de fuligem".

O túnel Ayrton Senna também foi "alvo" de Orion, segundo ele, facilitado pela total falta de manutenção (quanto a limpeza), pela Secretaria das Subprefeituras de São Paulo(S.S.S.P) - "O túnel Ayrton Senna nunca havia sido limpo, era preto, preto, preto de fuligem!". Já a "S.S.S.P", alega que a manutenção nos túneis da cidade ocorrem mensalmente... (rsrs) .

Até onde sei, Orion tem atualmente, entre 8 e 10 telas concluídas, todas feitas a partir da fuligem captada pela cidade, retratando automóveis em cenas cotidianas. Outra série documenta o ciclo de vida útil de um carro. Outra estabelece paralelos entre partes do corpo humano e partes do carro.

Ao que parece, Orion nos passa sua visão diante do falso conforto a que o Paulistano esta submetido, falso e prejudicial à saúde. Aparentemente, são desenhos "inocentes", feito à base de fuligem, mas aí é que está a chave da questão, e no fim, a real provocação e mensagem de sua técnica... O fato de terem sido feitas com poluição!

Diálogo melhor, através de arte, para mim não há... mais efêmero impossível! Uma forma simplistista, mas ao mesmo tempo, técnica de se discutir sobre o tempo na cidade!

Mãos à obra?! rs...

Guttwein, T.

5 Opiniões:

pedro disse...

Achei essa obra sensacional e ainda reaproveitar essa sujeira toda. Pena que a prefeitura não consegue lidar com certas coisas...

http://cinema-o-rama.blogspot.com

WBessa disse...

Precisamos de mais arte em nossas vidas !! A Arte nos aproxima de Deus(es)...
http://eu-vi-ajo.blogspot.com/

Bruno e Joyce disse...

Nada como a arte para nos fazer romper com olhar adestrado de sempre. A gente agradece a provocação, que nos faz pensar... ou não.

Bruno Costa

Bruno e Joyce disse...

Valeu pelo comentário. Vou aceitar a proposta e divulgar seu blog aqui no meu... pode fazer o mesmo, eu permito. rs
Abraço.

Bruno Costa

avassaladorasrio disse...

Querido amigo avassalador... seria um sinal dos tempos os novos e variados materiais para expressão da arte contemporanea? outro dia assisiti uma entrevista de um artista plastico que faz imagens com lixo e as fotografa do alto .. não sei descrever mas é belissimo e tudo feito de lixo mesmo!
é a arte se adaptando aos tempos atuais...